Parte I | Parte II

Se você nos acompanhou na semana passada (caso ainda não tenha lido, confira aqui a primeira parte do artigo), deve lembrar até onde chegamos: com a relação entre Zero e Big Boss rompida, este, juntamente a Miller, fundou a MSF: um exército privado que prestava serviços aos países que necessitavam de uma força militar maior. A partir daqui, abordaremos a ascensão de Big Boss, que via sua organização no mesmo nível de uma nação.

Em 1974, Kaz e Snake fundam a MSF

Em 1974, Kaz e Snake fundam a MSF

Com a MSF a pleno vapor, Big Boss e seus soldados começaram a realizar serviços ao redor do globo e ganhar notoriedade. Zero, que ainda se ressentia com o abandono de Snake, resolveu agir para tê-lo de volta nos Patriots.

Atenção! Os parágrafos a seguir contêm spoilers de Peace Walker e Ground Zeroes

A paz entre os homens não é um estado natural. Pelo contrário, o estado natural do homem é o de guerra. Esta não é só causada por hostilidades, mas também pela ameaça constante. A paz, portanto, é um estado que deve ser estabelecido por leis. — Immanuel Kant, “A Paz Perpétua”, capítulo 2

Em 1974, Big Boss recebeu uma missão de Ramon Gálvez — um agente da KGB disfarçado de professor de uma universidade costa-riquenha: Snake e sua unidade deveriam auxiliar a Costa Rica a investigar a presença dos Peace Sentinels — tropas desconhecidas que estavam no país sul-americano.

Peace Walker

Peace Walker

Sem hesitar, Snake aceitou a missão. Como gratidão, Gálvez deu-lhe uma plataforma marítima para que Snake pudesse expandir as operações da MSF; mais tarde, a plataforma receberia o nome de Mother Base. Durante a operação, o soldado resgatou Paz — uma garota costa-riquenha e pupila de Gálvez —, além de descobrir mais sobre os Peace Sentinels: a tropa acompanhava Hot Coldman, um agente do alto escalão da CIA, que estava supervisionando o desenvolvimento do Peace Walker, um tanque móvel com capacidade e “consciência” de contra atacar qualquer ataque nuclear — os gênios por trás da criação da arma eram Huey e Dr. Strangelove. Coldman acreditava que pessoas, justamente por serem humanas, não conseguiam retaliar uma bomba, por ter medo das consequências que isso poderia causar. Portanto, o Peace Walker seria a melhor opção: era uma máquina equipada com uma inteligência artificial capaz de calcular os riscos de um contra ataque e com base nisso, reagir à ameaça lançando ogivas nucleares no local de origem do ataque. Não teria a sensibilidade humana envolvida, então a retaliação era garantida.

Coldman pretendia transformar o Peace Walker em um negócio — com sua produção em massa, todo país que não quisesse ficar para trás na Guerra Fria teria de ter o seu. Vendo isso como uma grande ameaça, Big Boss se opôs a Coldman e eventualmente destruiu o Peace Walker.

Para dar continuidade à expansão da MSF, Snake percebeu que também teria que ter sua força nuclear. Por isso, investiu em um novo projeto — com a ajuda de Huey e Dr. Strangelove (que agora faziam parte da MSF), desenvolveu o Metal Gear ZEKE, nada mais que um tanque bípede armado com uma railgun.

Skull face

Skull Face

Quando tudo parecia ter acabado, Paz, que ainda estava na base marítima da MSF revelou sua verdadeira origem: a garota era uma agente de Zero (que vinha agindo pelo codinome de Cipher) e para trazê-lo de volta aos Patriots, ela roubou ZEKE e usou-o para persuadir Snake. Sem mostrar um pingo de rendição, este enfrentou e eliminou Paz, que caiu no mar e foi tida como morta. Por fim, o soldado tomou ciência de que Zero estava à sua procura.

O sumiço de Paz, entretanto, não durou muito. No ano seguinte, Kaz e Snake souberam que a agente estava viva e sendo interrogada em Cuba, no Camp Omega — uma prisão secreta da CIA. Enquanto Snake se infiltrava no território, um sujeito conhecido como Skull Face partia desse mesmo local, juntamente com a sua organização: a XOF.

Após o sucesso do resgate, Snake retornou à Mother Base com a pior visão possível: a base estava sob ataques da XOF e Skull Face — cujas motivações eram desconhecidas. Foi Huey quem recebeu os “visitantes”, com o pensamento de que faziam parte de uma equipe de inspeção nuclear que estava prestes a visitar a Mother Base.

É, Snake... Mother Base já era  ¯\_(ツ)_/¯

É, Snake… Mother Base já era ¯\_(ツ)_/¯

De mãos atadas, Snake e Kaz fugiram em um helicóptero e só puderam assistir à destruição da Mother Base. Paz, que estava a bordo, avisou os dois sobre uma bomba que Skull Face havia plantado nela, pois ele sabia que Snake viria ao resgate da garota. A agente pulou do helicóptero, mas explodiu quase no mesmo instante. A explosão atingiu o helicóptero de Big Boss, que, desgovernadamente, chocou-se contra um helicóptero da XOF. O acidente causou a Snake a amputação de seu braço esquerdo e o alojamento de diversos estilhaços em seu corpo, além de um coma profundo.

 “Toda noite eu sinto minha perna… meu braço… até mesmo meus dedos. Os membros que perdi… Os companheiros que perdi… Não param de sofrer… É como se todos eles ainda estivessem lá. Você também sente, não sente? Eu farei-os devolver nosso passado”. — Kazuhira Miller

Em The Phantom Pain, Big Boss acordará de seu coma em pleno ano de 1984 e estará sedento por vingança contra Zero e Skull Face. O ideal não é mais seguir o desejo de The Boss; é tornar-se cada vez mais forte para esmagar aqueles que causaram-lhe essa dor fantasma, ocasionada pela perda de sua nação e seus soldados. Daqui em diante, veremos como o poder e a sede de vingança farão com que Big Boss aos poucos se transforme no vilão da história.

“Em meu coração eu sei que não há como iluminar a escuridão em seus olhos”. — Sins of the Father (tema de Metal Gear Solid V: The Phantom Pain)


Ufa. Se você leu até aqui, parabéns e muito obrigado! Com este artigo, finalizamos esse apanhado geral da história de Big Boss. Agora você pode se juntar a nós na espera até o dia 1º de setembro!

Novamente, caso tenha quaisquer dúvidas e inquietações a respeito da trama, deixe na seção de comentários abaixo e eu tentarei responder.