O estúdio desenvolvedor de PUBG, Bluehole, divulgou novos detalhes sobre os seus planos para lidar com o uso de cheats no jogo e explicou como será o funcionamento de seu novo sistema anti-trapaça, que já foi lançado nos servidores de teste do game e estará disponível para todos os jogadores de PC na próxima semana.

Conversando em uma postagem no blog da comunidade no Steam, Dohyung Lee, chefe de gerenciamento de serviços e anti-cheats da Bluehole, reafirmou a posição do estúdio em relação aos cheats e explicou as medidas que está tomando para evita-los.

“Jogar de maneira justa e respeitar os outros jogadores é um princípio em torno do qual nosso jogo é construído”, disse Lee. “Para obter a experiência completa do Battle Royale, todos os 100 jogadores devem ser justos. É por isso que seguimos o princípio de fair play e respeito mútuo desde o primeiro pré-teste alfa em julho de 2016”.

No entanto, como muitos jogadores de PUBG já devem ter percebido, não é bem assim que acontece na prática. Para abordar essa discrepância entre a visão da empresa e a realidade do jogo, o desenvolvedor estabeleceu uma equipe dedicada a combater programas de cheat e lançou uma versão inicial de sua nova solução anti-cheats, implementada dentro do jogo e disponibilizada recentemente nos servidores de teste. Essa solução in-game chegará a todos os jogadores na próxima semana e deverá ser atualizada constantemente após sua implementação.

Tal solução foi projetada para complementar as medidas já existentes e bloqueará diferentes programas auxiliares que alterarem os gráficos ou ajudarem na jogabilidade de alguma forma. Os programas que não são utilizados para obter uma vantagem injusta também podem vir a ser bloqueados caso se comportem como cheats, mas os dados coletados pelos servidores serão revisados para identificar programas inofensivos e liberar o seu uso o mais rápido possível.

Além dessa solução anti-cheat já sendo implementada, a Bluehole está se concentrando ainda em outras três áreas: melhorar a função de reportar jogadores, evitar a modificação dos arquivos do jogo e alterar o compartilhamento familiar no Steam.

“Estamos gradualmente atualizando nossos recursos para verificar os usuários reportados mais efetivamente”, explicou Lee. “Um sistema interno também está sendo construído para permitir investigar o conteúdo relatado da forma mais rápida e precisa. Se você encontrar um jogador que você suspeita que esteja usando cheats, use a função de reportar”.

Quanto à modificação de arquivos do jogo, o desenvolvedor avisa que, em breve, o acesso a PUBG poderá ser bloqueado se você manipular tais arquivos, especialmente se você excluir ou modificar de qualquer maneira arquivos que afetem qualquer sistema ou mecânica do jogo.

A última medida para evitar trapaças será desativar o compartilhamento familiar no Steam para PUBG. Originalmente, o recurso tinha sido habilitado para permitir que os jogadores usassem seus personagens com outras contas Steam. “No entanto, decidimos desativar esse recurso porque identificamos uma série de vulnerabilidades que estão sendo exploradas”, informa Lee. “Pedimos que por favor entendam que estamos introduzindo essa medida para combater o abuso e garantir um ambiente justo”.

Esses são apenas os estágios iniciais da tentativa da Bluehole em evitar os cheats em PUBG, e o estúdio reforça que “continuará a tomar medidas firmes contra desenvolvedores, distribuidores e usuários de cheats”. “Nós prometemos que faremos o melhor de nossos esforços todos os dias em nossa batalha por um ambiente de jogo justo”, conclui o desenvolvedor.

Leia também: PUBG é o mais vendido no PC em 2017 e lucra 330 milhões a mais que Overwatch

Via Eurogamer