Se você contasse para sua avó que videogame não é mais “aquela coisa que estraga a TV”, nem “brinquedo para criança”, e na verdade é um espaço para jogadores profissionais, que pagam aluguel com o dinheiro da jogatina, ela não acreditaria em você.

Videogame não é mais um “bico”, e sim uma possibilidade concreta de carreira: universidades americanas estão oferecendo bolsas de estudo para jogadores de League of Legends, gamers profissionais viajam o mundo em busca de prêmios milionários e campeonatos estão começando a aparecer até mesmo em território nacional – o mais recente exemplo é o anúncio de que a final do torneio CBLoL acontecerá na arena do Palmeiras.

Leia também: YouPorn já tem sua primeira equipe de eSports

Mas afinal, videogame é um esporte de fato? Uma subdivisão do esporte – um esporte eletrônico? Ou só um hobbie mesmo? Para isso, recorri a um dos dicionários mais antigos e respeitados do mundo, o Michaelis. Aqui vai a definição de “esporte”:

Prática metódica de exercícios físicos, que consistem geralmente em jogos competitivos entre pessoas, ou grupos de pessoas, organizados em partidos.

Jogos competitivos entre pessoas? Confere. Organizados em partidos? Confere. Prática metódica de exercícios físicos? É aqui onde entra a discussão.

Sim, são poucos os que conseguem fazer do videogame uma carreira. Mas e ser um jogador profissional de futebol, é fácil?

Sim, são poucos os que conseguem fazer do videogame uma carreira. Mas e ser um jogador profissional de futebol, é fácil?

É verdade, videogame se joga sentado e não é necessário “estar em forma” para praticá-lo, mas mesmo assim envolve exercícios físicos, afinal, você usa a mão pra jogar, e uma maior precisão com os dedos separa os jogadores casuais dos profissionais. Nada comparado a futebol ou basquete, mas videogame envolve estresse físico. Além disso, xadrez é reconhecido oficialmente como um esporte olímpico, por que videogame também não deve entrar?

Inclusive, nós já temos a nossa própria federação. Assim como a FIFA está para o futebol, a IeSF está para o videogame. Com mais de 6 anos de existência, o grande objetivo da Federação Internacional de e-Sports é fazer com que videogame seja considerado um esporte legítimo, veja alguns momentos recentes para a organização:

  • Em maio de 2013, a Agência Mundial Anti-Doping incluiu e-Sports como uma das modalidades participantes.
  • Em julho de 2013, a IeSF enviou um pedido a Convenção de Esportes para ser reconhecido como um esporte temporariamente. O pedido inicialmente foi negado devido ao pouco espaço para mulheres no e-Sport.
  • Em maio de 2014, a TAFISA (Associação dos Esportes Internacionais para Todos) aceitou o e-Sport como um esporte.

Passos estão sendo feitos em direção a uma maior aceitação do e-Sport, ainda o reconhecimento não é absoluto. Uma pena, por enquanto videogame ainda é um “tipo de esporte”.

Comentários

  • É um esporte sim. Com,o você disse: “Nada comparado a futebol ou basquete”. Mas o atleta do eSport precisa estar bem fisicamente, isso reflete no seu desempenho “apenas com as mãos”.

    Só não pode ter jogador pro dando entrevista sugerindo pra quem quiser ser pro largar os estudos como já vi!

    • Pedro Galani

      O que eu admiro demais nos esportes americanos, é como os jogos de faculdade (como o College Football) são extremamente valorizados, assim, o jogador precisa completar uma faculdade para depois ingressar no profissionalismo do esporte, enquanto infelizmente muitas vezes o futebol é utilizado como ferramenta de abandonar os estudos, já que um jogador com um diploma superior (com no mínimo 22-23 anos) já é considerado “experiente”, visto que muitos começam com 16 ou 17.

      • Lá há uma cultura dos pais mandarem seus filhos para a faculdade após o colegial e pagarem por ela, sendo que não é nada barato.

        Por causa desse incentivo que você falou, os pais colocam as crianças para praticarem esportes desde cedo, pois mesmo o cara sendo meio pereba no esporte ele já tem um desconto mínimo garantido.

        E no final quem ganha com isso são os esportes em geral, não é atoa que os caras dominam praticamente tudo ou pelo menos sempre vemos atletas americanos disputando qualquer esporte em alto nível. Não duvido nada os EUA chegarem numa final de Copa do Mundo (soccer rsrs) até 2030-38.

  • renato_dcd

    eSports promove a virgindade, logo, não é esporte 😛

    (Apesar que tem jogador de futebol famoso no HUE que alega ser virgem, então podemos colocar na mesma categoria)

    • carequinha

      deixa de ser babaca e ficar dizendo que todas as pessoas que jogam games online são nerds e virgens, faça-me o favor.

  • Fritz Renner

    Três coisas!
    1-Acredito que é uma questão de tempo, pouco tempo, para que seja “OFICIALMENTE RECONHECIDO” como esporte.
    2- Se eu estiver enganado, muito enganado, e NUNCA for reconhecido como um esporte… E DAÍ? Continuaremos jogando e participando de campeonatos.
    3 – Digo “E DAÍ?”, mas realmente espero que seja reconhecido, pois seria super maneiro ;D

  • drevil goebels

    O xadrez é reconhecido como esporte e vídeo game não..Muita falta de coerência, nem xadrez e nem vídeo game, exige um preparo físico exorbitante, ambos são esporte que se trabalha o intelecto, o raciocínio, cada um dentro de sua própria realidade..Vídeo game não é reconhecido como esporte por não dar oportunidade pra mulheres? Faça mil favor, são elas que não se interessam pela área, os games estão ai pra quem quiser jogar….