Olá pessoal, hoje é dia de eu soltar minha lista dos melhores jogos da geração! Para quem não me conhece, sou o Luccas Augusto, estudo Administração e sou um feliz dono de um PlayStation 3, esse que foi comprado no fim de 2011. Porém volta e meia eu pegava emprestado o PS3 do meu tio para jogar alguns jogos, como GTA IV, Call of Duty: Modern Warfare 2 e God of War III.

Sou um fã incondicional de um bom Action/RPG, além de também ser fã da série Assassin’s Creed, apesar de não ter terminado o AC3 (me perdoem, mas achei o jogo sofrível). Também gosto do gênero FPS mesmo eu sendo um péssimo soldado para a sua equipe do multiplayer e sou fã de jogos de ação/aventura como Uncharted e Tomb Raider!

Então vamos começar logo com isso porque essa minha lista tá grandinha.

[separator type=”thin”]

15 – DmC: Devil May Cry

Produtora: Ninja Theory / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2013

DmC: Devil May Cry

Começar a lista com uma possível polêmica. Muitos ficaram com um pé atrás com esse jogo (inclusive eu), porém eu decidi dar uma chance a ele e acabou que eu não me arrependi. Sim, essa nova roupagem do Dante, Vergil e Mundus não ficou bom e senti falta do bom e velho Tio Dante, mas esse jogo me conquistou com seus bonitos gráficos e divertido combate, ao ponto de eu até platina-lo.

Caso ainda não tenham jogado e goste de um bom jogo de ação, vale a pena compra-lo em alguma promoção.

[separator type=”thin”]

14 – Darksiders II

Produtora: Vigil Games / Plataformas: PS3, X360, Wii U, PC / Lançamento: 2012

Darksiders II

Darksiders II foi uma grande evolução em comparação com seu antecessor. Com um combate extremamente recompensador e com pitadas de elementos de RPG, Darksiders II foi uma das grandes surpresas de 2012 para mim. Death, um dos quatro cavaleiros do apocalipse tenta provar que War, seu irmão, não é culpado pelo desastre que houve na Terra e para isso você acaba indo para o céu, inferno e mundo dos humanos. O jogo possui bons gráficos e uma árvore de habilidades interessante, que acaba motivando a continuar a jogar mesmo após fecha-lo.

[separator type=”thin”]

13 – Saint’s Row: IV

Produtora: Volition / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2013

Saints Row

Ta ai uma das franquias que mais me surpreenderam nessa geração. Eu não dava nada para ela até jogar o The Third, mas foi em Saint’s Row IV que o jogo se destacou. Nele você é nada menos do que o presidente da maior nação do mundo, os Estados Unidos da América, e tem que proteger o mundo de uma invasão alienígena usando todos os seus super poderes, como super velocidade, super pulo, poderes de gelo, fogo, mentais, entre outros… Fora as inúmeras referências que o jogo faz a outros jogos e filmes, como essa de Armageddon, com direito até a I Don’t Want to Miss a Thing do Aerosmith!

Mas calma jovens, o jogo não é só zueira, muitos dos fãs que não gostaram do fato de The Third ser focado mais na brincadeira do que na história em si voltaram a gostar da série com Saint’s Row IV por ter uma boa mistura do humor de The Third, mas com a narrativa de Saint’s Row 2.

[separator type=”thin”]

12 – Assassin’s Creed 4: Black Flag

Produtora: Ubisoft / Plataformas: PS3, PS4, X360, XOne, PC  / Lançamento: 2013

Assassin`s Creed

Após os decepcionantes Assassin’s Creed: Revelations e Assassin’s Creed III (para menos para a minha pessoa) a Ubisoft volta a acertar na fórmula com Black Flag! Ok… admito que falta um pouco daquele bom e velho conflito entre Assassinos e Templários que havia nos últimos jogos, mas ainda assim ele é um jogo anos luz melhor do que seu antecessor (volto a repetir, pelo menos para mim). Edward Kenway é um personagem muito carismático, assim como o nosso querido Ezio e ao contrário de seu neto, Connor.

Fora isso, o jogo tem gráficos lindos até mesmo nessa geração, uma história muito interessante, além do excelente combate naval, que não achei que iria me prender por não ter gostado muito dele no AC3, mas eu não tinha ideia a quantidade de tempo que eu ficaria navegando em águas povoadas por navios inimigos. Além disso também tenho que destacar o combate que esta um pouco melhor do que o de seu antecessor, apesar de uns bugs vez ou outra…

[separator type=”thin”]

11 – Batman: Arkham City

Produtora: Rocksteady Studios / Plataformas: PS3, X360, Wii U, PC / Lançamento: 2011

Batman Arkham City

Batman: Arkham City de novo em uma de nossas listas? SIM! A série Arkham revolucionou os jogos, não só de super heróis, mas jogos que em geral que envolvem combate corpo a corpo. Com seu excelente sistema de combate e counters, os jogos Arkham serviram como modelo para vários outros, como Sleeping Dogs e The Amazing Spider Man.

Mas vamos falar de Arkham City. O jogo pegou tudo que seu antecessor tinha de bom e melhorou. História fenomenal, vários inimigos do nosso querido “Bátema” que são realmente significantes e não estão lá apenas para ocupar um papel sem importância, que é o que aconteceu com a super lotação de inimigos em “Arkham Origins”. Tudo isso somado ao soberbo combate e dublagem (Mark Hemill será eternamente o Coringa, não tem muito o que fazer quanto a isso) torna esse jogo uma obrigação não só para os fãs do homem morcego, mas para todos que gostam de um bom jogo de ação e aventura.

[separator type=”thin”]

10 – Red Dead Redemption

Produtora: Rockstar San Diego / Plataformas: PS3 e X360 / Lançamento: 2010

Red Dead Redemption

Não sei o que falar sobre Red Dead. Foi um dos primeiros jogos que joguei quando não tinha nem meu próprio PlayStation 3, havia pego emprestado o do meu tio. Mas me lembro claramente dos dias e noites que eu passei vidrado em minha televisão fazendo as missões do jogo, além de simplesmente explorar o mapa e caçar alguns animais só por diversão.

Não consigo destacar algum ponto fraco no jogo além de sua idade, pois pegando ele hoje em dia parece ser um jogo mais travado do que eu me lembrava (não no sentido de travar mesmo, mas nas coisas não fluirem tanto, como o movimento e mecânicas do jogo), mas fora isso Red Dead Redemption é um jogo fantástico e com certeza é uma das obras primas da Rockstar e não deve faltar na experiência de ninguém nessa geração.

[separator type=”thin”]

9 – Beyond: Two Souls

Produtora: Quantic Dream / Plataformas: PS3 / Lançamento: 2013

Beyond Two Souls

Beyond: Two Souls é uma experiência única nessa geração de consoles, nele nós somos Jodie Holmes, uma garota que vive com um espírito desde o dia de seu nascimento e acaba sendo levada para um centro de estudos paranormais da CIA, a partir disso sua vida acaba virando uma bagunça maior ainda, não podendo ter uma vida de uma menina normal graças a seu peculiar companheiro.

Com história marcante, narrativa espetacular e atuação brilhante de Ellen Page e Willen Dafoe, trouxe momentos marcantes para mim e creio que para todos os outros que já tiveram a oportunidade de jogar essa outra obra de arte da Quantic Dream. Eu mesmo cheguei a escrever uma análise sobre o jogo, então basta clicar aqui para ler caso tenha mais curiosidade sobre o jogo.

[separator type=”thin”]

8 – The Walking Dead: A Telltale Games Series

Produtora: Telltale Games / Plataformas: PS3, PS Vita, X360, PC / Lançamento: 2012

The Walking Dead

Telltale Games conseguiu criar uma obra de arte com esse jogo. Muitos o criticam por ser apenas um point and click mas ele é muito mais do que isso. The Walking Dead é uma experiência única que vai deixar até pessoas não tão emotivas (como eu) com vontade de chorar certas horas. Nesse jogo tudo o que você faz tem uma consequência, até dizer algo para alguém, pois ele com certeza lembrará do que você disse no futuro.

The Walking Dead é um excelente jogo e nos faz pegar muito apego por seus personagens… Falando em apego, mal posso esperar para saber como a pequena Clementine esta na segunda temporada do jogo que será lançado logo logo.

[separator type=”thin”]

7 – Borderlands 2

Produtora: Gearbox Sofware / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2012

Borderlands 2

Hello Kiddos” (leia isso com a voz de Handsome Jack). A continuação do Shoot and Loot que chamou a atenção do mundo em 2009, Borderlands 2 trouxe tudo que seu antecessor tinha, mas agora com uma narrativa! Muito do que os fãs do primeiro game reclamavam era a falta de uma história, pois toda a informação que recebíamos era lendo a descrição da quest, agora nós temos diálogos, personagens importantes, além irritante e ao mesmo tempo querido, Claptrap.

Borderlands 2 tem um mapa gigante, sistema de progressão de nível muito bem feito, além, claro, das armas! No primeiro Borderlands nós tínhamos 17.750.000 armas diferentes! Isso mesmo, você não leu errado, 17 milhões e 750 mil armas. Já em Borderlands 2 nós ainda não sabemos, porém a produtora já confirmou que é mais do que o seu antecessor. Além disso tudo, não posso esquecer do fantástico trabalho de dublagem de Dameon Clarke com seu Handsome Jack!

[separator type=”thin”]

6 – Portal 2

Produtora: Valve / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2011

Porta 2

Valve, minha querida Valve… Sempre que eu me lembro eu agradeço por terem feito Portal 2. Não só por isso, mas também por terem criado todo o universo de Portal, como a GLaDOS, os Turrets, o bolo, entre outras coisas… Portal 1 mais parece um Beta para o que iria vir em Portal 2.

Com uma história fantástica, visual incrível e personagens que até me faltam palavras para descreve-los, Portal 2 fica em 6º lugar em minha lista. O jogo me proporcionou momentos inesquecíveis, graças ao humor irônico de GLaDOS, do jeito desastrado de Wheatley. Tudo isso misturado com muitos, mas muitos puzzles para serem resolvidos com a Portal Gun.

Ah, como eu ia me esquecer do Space Core, um personagem que fica tão pouco no jogo mas que eu considero pacas?

[separator type=”thin”]

5 – Assassin’s Creed II

Produtora: Ubisoft / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2009

http://www.youtube.com/watch?v=mVWhWsgHzKM

AI MEU DEUS, ESSE TRAILER! Lembro até hoje como eu fiquei ansioso com esse trailer e com o jogo. Lembro de não ter um PC tão potente na época para roda-lo e só pude ter a oportunidade de joga-lo em 2011. Mas quando joguei, meus amigos, foi uma das melhores experiências que eu tive com um game. O jogo é até hoje o que muitos consideram ser o melhor da série Assassin’s Creed, junto com Brotherhood.

A trama sobre toda a morte do pai e irmãos de Ezio Auditore da Firenze e como um garoto briguento se tornou um Assassino… Não, não só um assassino, mas como ele se tornou O Assassino, o mentor de todos os que iriam vir a partir dele. Título esse que ele conquista com muita habilidade e um pouco de networking, pois as coisas acabam facilitando um pouco quando se tem um amigo como Leonador Da Vinci para lhe ajudar.

[separator type=”thin”]

4 – Dragon’ Dogma: Dark Arisen

Produtora: Capcom / Plataformas: PS3, X360 / Lançamento: 2013

http://www.youtube.com/watch?v=-157xg-HHQg

Como um grande fã do gênero Action-RPG, não podia deixar Dragon’s Dogma de fora dessa lista. Como muitos podem pensar, Dragon’s Dogma não é um RPG que fique nas sombras de Skyrim. Apesar de ter dragões (e a semelhança acaba ai), Dragon’s Dogma é completamente diferente de The Elder Scrolls V, principalmente quando falamos do combate. O combate do jogo é o seu destaque, com uma mistura de Dark Souls com Shadow of the Colossus que acaba obrigando os jogadores a terem diversas estratégias para cada tipo de inimigo, como escalar seu inimigo para chegar a seu ponto fraco.

Dragon’s Dogma é um dos grandes títulos dessa geração e por algum motivo é extremamente subestimado até pelos próprios apreciadores do gênero Action-RPG e por isso eu recomendo a todos que gostem do gênero e de títulos como Monster Hunter, Dark Souls e jogos de mundo aberto com muita ação, dar uma olhada na minha análise do game, que além disso também aborda a mudança de dia/noite do game, que trás uma camada a mais de estratégia e precaução ao jogo.

[separator type=”thin”]

3 – Far Cry 3

Produtora: Ubisoft / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2012

Far Cry 3 é o melhor jogo do gênero FPS que eu já joguei até hoje. Não bastasse ter uma história fora de série, o jogo conta com um mundo aberto gigantesco, um sistema de evolução de habilidades muito bem planejada, assim como a forma da caça realmente fazer diferença no gameplay, não como acontecia em Tomb Raider, por exemplo, onde você não precisava caçar para nada, apenas para conseguir materiais para upgrade, em Far Cry 3, a caça ajuda no upgrade geral do personagem, como quanta munição ele pode levar, quantas armas, e assim em diante.

Mas apesar de tudo isso ser o suficiente para que muitos considerem Far Cry 3 um “Skyrim com armas” a Ubisoft nos apresentou um dos melhores vilões, não só dessa geração, mas quem sabe de todos os tempos: Vaas Montenegro. Vaas já entrou em minha lista de top 10 psicopatas nos games e não é pra menos, além de ser extremamente carismático, ele é insano, e podemos conferir isso no vídeo acima onde o ator Michael Mando, que dublou e fez a captura de movimentos para Vaas no Far Cry 3, encarna seu personagem do jogo para torturar Christopher Mintz-Plasse (ator que já fez o famoso Mc Lovin em Superbad)

[separator type=”thin”]

2 – GTA V

Produtora: Rockstar North / Plataformas: PS3, Xbox 360 / Lançamento: 2013

Grand Theft Auto V é tudo isso que todos dizem. É o Game of The Year de 2013. Mas acima disso tudo, GTA V tem Trevor Phillips, então acho que esses motivos já bastam para eu descrever o quão fantástico é o último capítulo da franquia mais bem sucedida da Rockstar.

[separator type=”thin”]

1 – Dark Souls

Produtora: From Software / Plataformas: PS3, X360, PC / Lançamento: 2011

E em primeiro lugar vem Dark Souls, um dos jogos que as pessoas descrevem como um dos mais difíceis já feitos. Mas Dark Souls vai além disso. Dark Souls não é apenas a tela de “You Died” que aparece todas as vezes que você morrer (e acredite, são muitas vezes). Dark Souls tem uma das maiores e melhores comunidades de jogadores que eu já vi, onde cada um tenta ajudar o outro a resolver os mistérios do jogo, que são vários.

Muitas pessoas pegarão ou pegaram Dark Souls e certamente sentiram falta de uma história, mas ela existe e esta em cada detalhe do jogo. Como naquele anel que você acha nas Catacumbas e que só com ele você consegue abrir uma passagem escondida em uma outra área do jogo. Falando em comunidade, o jogo tem uma forma diferente de fazer com que os jogadores interajam um com os outros, que é deixando mensagens no chão para que outro jogador a veja quando passar por esse ponto (algo que serviu de inspiração para o PlayStation 4).

E a história do jogo é uma das melhores que já vi em todos os tempos. Você se apega a um personagem que você vê apenas UMA VEZ no jogo inteiro, e se não bastasse isso, você só o encontra para mata-lo!!! (Toda vez que vou enfrentar o Sif cai uma lágrima…)

Mas sim… o jogo é mais difícil do que a maioria dos jogos dessa geração, mas ele não é injusto, ou seja, se você morrer alguma vez não foi pq o jogo foi injusto com você e sim porque você fez algo errado, como atacar na hora errada, usar um escudo com pouca defesa mágica, assim em diante até você derrotar seu inimigo. E a sensação de conquista após você matar Ornstein e Smough e o Four Kings é uma das maiores e mais gostosas que se pode ter em um jogo após finalmente soltar aquele “FINAMENTE MATEI, PORRA!”

Então com por ser um dos melhores RPGs já feitos, sensação de conquista, diversas formas de se jogar e ter uma das comunidades mais formidáveis que existe para um game. Dark Souls ocupa o primeiro lugar da minha lista.

Menções Honrosas:

Nessa categoria vou citar jogos que tive a oportunidade de jogar mas ainda não consegui termina-los e acho que merecem destaque. Eles são:

  • Ni No Kuni: Wrath of The White Witch
  • Journey
  • Uncharted 3
  • The Last of Us
  • Bioshock Infite
  • Heavy Rain

Então é isso pessoal! Incentivo vocês a deixarem nos comentários as suas impressões em relação a minha lista! 😀