Os crimes cibernéticos que envolvem casos de homofobia, racismo, xenofobia, assédio e tantas outras formas de ofensa e intimidação inundam as páginas de internet e redes sociais. Na verdade, eles se estendem muito além: nas salas de jogos online, onde entramos para nos divertir, esses crimes estão cada dia mais constantes.

É difícil dizer exatamente o quanto isso acontece, pois no limbo dos chats temporários colher informações que nos permitam “mapear” esses casos é um desafio. As dificuldades de lidar com isso são muito maiores do que em casos do Facebook, por exemplo, pois alguns fatores relevantes, como a identidade do agressor, sua localidade, sua idade e a falta de provas que ocorre — devido à perda veloz de informações das conversas — praticamente “matam” as chances de prosseguir com uma denúncia.

Não é a primeira vez que falamos sobre A cultura do ódio na comunidade dos jogos, mas é sempre bom relembrar, né?

Alguns jogos permitem que jogadores com maus comportamentos sejam “reportados” para que, após avaliação da empresa responsável pelo jogo, sejam punidos com bans temporários ou permanentes. Porém, o correto é levar essas histórias à justiça, pois são casos de crimes bárbaros que não devem ter espaço!

Extremamente incomodado com a situação e sem saber como agir em situações como essas, fui atrás de um advogado especialista em crimes na internet e a orientação dada foi a seguinte:

  • Reconheça o crime cometido pelo ofensor – Racismo, homofobia, assédio sexual/moral, xenofobia, ameaça ou qualquer outra natureza de CRIME;
  • Acumule provas, como capturas de tela e gravações de vídeo/áudio;
  • Use a ferramenta de denúncia do jogo e entre em contato com o suporte, avisando que tomará medidas legais contra o agressor. Isso serve para que a empresa prepare-se para colaborar com a justiça, fornecendo os dados sobre a identidade do acusado;
  • Abra um boletim de ocorrência na delegacia;
  • Procure um advogado e leve a ele o caso, com as provas e o boletim de ocorrência realizado, para receber mais instruções sobre o processo;
  • Compartilhe o caso e o fato de que tomou as medidas legais onde puder para que incentive e dê forças para outras pessoas em situações parecidas.

crime cibernético imagem ilustrativa

Se você sofrer qualquer tipo de ofensa que caracterize crime, fique atento a este quesito, tome essas medidas e não deixe passar, não permita que essa prática seja levada adiante. É claro que não mudaremos o mundo e as pessoas do dia para a noite, porém mais cedo ou mais tarde as pessoas começarão a pagar por seus delitos nas “seguras” salas de jogos online e, sem dúvidas, a tendência é que esse terror diminua. Não se extinguirá, mas diminuirá.

Precisa de apoio ou quer se enturmar? Existem grupos no Facebook direcionados ao público gamer LGBT e feminino, que são as mais frequentes vítimas desses crimes, como o League of Divas e o grupo Garotas Geeks. Nesses grupos, você encontrará o apoio que precisa para manter-se firme e forte.