A fabricante de hardwares e acessórios Razer está trabalhando neste projeto há dois anos: um PC modular, fácil de modificar, poderoso, e que deve agradar tanto os gamers hardcores que gostam de montar suas próprias máquinas, quanto os jogadores que não entendem nada de computador. Seu codinome é Project Christine, e ele foi apresentado na CES 2014.

O Project Christine é basicamente um gabinete, muito bonito por sinal, no qual os jogadores poderão plugar qualquer combinação de módulos de GPU, CPU, memória e outros componentes, e eles falarão entre si. Estes módulos são construídos de uma forma que não há cabos, com sistemas de resfriamento a líquido individuais. Os módulos poderão ser vendidos pela Razer ou outras empresas, mas este ponto ainda não chegou a ser planejado pela empresa. O computador poderá, também, rodar múltiplos sistemas operacionais.

Min-Liang Tan, CEO da empresa, disse que a ideia é “apresentar o projeto para os jogadores, e ver se eles gostam”. A Razer gosta de arriscar e apresentar novas ideias. “Não vamos ao Kickstarter.”, declarou Min-Liang. “Não somos bons nisso.” Em vez disso, a empresa constrói coisas bacanas e apresenta as novidades em conferências. Em 2012, a Razer mostrou um hardware que funcionava como tablet e PC gamer, chamado de Project Fiona. O jogadores gostaram do projeto, e ele se tornou um produto real, hoje conhecido por todos como Razer Edge.

Se os jogadores responderem bem ao protótipo, a Razer deve começar a produzir o Project Christine para trazê-lo ao mercado. Em se tratando da Razer, isso talvez demore muito para virar realidade (se virar).