Análise – Vampyr

Lendas e contos de vampiros devem ser um dos assuntos mais antigos (e até batidos) da cultura pop. Ambientadas em comédias, dramas, suspense, terror, ação e em todos os gêneros imagináveis, os videogames também conquistaram um espacinho para retratar os chupadores de sangue.

A linha entre contar uma história intrigante, com personagens críveis e bem explorados, e outra história desinteressante e banal, é bem tênue. O roteiro precisa ser bem escrito para que uma cena dramática não se passe por uma comédia de terceira categoria – é preciso criar ambientação, um contexto bem elaborado e, no caso de um jogo, sistemas estruturados de gameplay e design são essenciais.

Vampyr possui, em partes, esses quesitos. O novo action RPG da Dontnod possui uma premissa interessante e um protagonista complexo, mas escorrega feio ao conciliar tantos sistemas de uma vez só.

A história de uma Londres gótica e agonizante

Em Vampyr, vivemos em uma Londres pós-vitoriana, no final da Primeira Guerra Mundial. As coisas não estão nada boas na cidade britânica – a falta de saneamento e infraestrutura assombra todos os distritos daquele povoado. As ameaças ficam ainda piores quando um surto epidêmico de gripe espanhola se espalha, provocando ainda mais decadência, principalmente entre os mais pobres.

Nesse contexto caótico, assumimos o papel do médico de guerra chamado Jonathan Reid. Renomado e especialista em técnicas de transfusão de sangue, Reid está volta a Londres após três anos e já não reconhece mais sua amada cidade. Não bastasse o surto da mortal gripe, algo mais obscuro toma conta dos becos e ruas de Londres, e não demoraria muito para que Jonathan fosse uma das vítimas. O recém chegado médico sofre o ataque de uma besta desconhecida, algo que se alimentou de seu sangue e o deixou para morrer numa pilha de cadáveres.

Dado como morto, sua irmã, Mary Reid, o procura desesperadamente em todos os hospitais, centros e necrotérios de Londres para, enfim, encontrá-lo. Infelizmente, Jonathan acorda transformado, cego pela sede insaciável de sangue e não consegue distinguir sua primeira vítima. Após saciar-se e retomar sua consciência, o pior lhe esperava. Sua irmã, morta, em seus braços. Transtornado, Reid não consegue se perdoar e jura vingança àquele que o transformou, além de precisar conciliar sua nova condição e o mal que assombra sua cidade.

Ao longo da jornada, Jonathan encontra com outros personagens importantes para desenrolar sua trama, além de precisar desempenhar seu papel como médico no Pembroke Hospital, criar laços com outros profissionais e fazer parte de suas histórias, destrinchando os variados subplots que o jogo oferece. Vampyr conta com um acervo histórico interessante e com várias facções, desde da sociedade secreta de vampiros, o Ascalon Club, até A Guarda de Priwen.

É inegável que Vampyr conta com um folclore rico e apresenta vários tipos de vampiros e mutações, contando suas origens e entrelaçando com a história principal. Como Jonathan é um médico, o estúdio se preocupou em trazer uma visão científica da epidemia que assombra a cidade, recontando o início da medicina contemporânea e o posicionamento de Reid como um homem da ciência, um cético a procura de respostas racionais para o que está acontecendo.

A trama, em sua essência, é refinada e conta com a grande maioria dos diálogos de maneira consistente, te fazendo ter mais vontade de explorar e saber mais de cada cidadão e habitante de Londres. O jogo possui um sistema de relacionamentos interessante mas pouco explorado, onde personagens e quests se misturam para contar uma história maior. Entretanto, nem sempre dá certo e nem todas as conversas são bem escritas – é notável o rebuscado vocabulário do protagonista, apenas para disfarçar uma conversa fútil ou por pura encheção de linguiça.

Pior que alho e estacas: mecânicas defeituosas e design duvidoso

E é aqui que a coisa começa a complicar. Se você já jogou The Witcher 3, por exemplo, sabe que aquele jogo é estritamente complexo, recheado de mecânicas de RPG como crafting, status de equipamentos e armas, inimigos com nível, decisões de diálogo e a importância de suas escolhas. Não é difícil imaginar o quão complicado é implementar isso tudo de maneira funcional dentro de um jogo – a programação tem que ser bem feita. Caso contrário, não funciona. Em Vampyr, temos algo parecido: crafting, inimigos tem nível, escolhas importam… porém, fica claro que o jogo não contou com metade do orçamento de um RPG blockbuster.

Todo o arquétipo de action RPG de Vampyr parece de segunda mão. O combate e a movimentação de Jonathan e dos inimigos é travada e sem fluidez, muito dos ataques especiais da árvore de habilidades tem pouco ou quase nenhum feeling – você mal sente que seu ataque, que deveria parecer super poderoso, tem algum efeito realmente adverso nos inimigos. As mecânicas de esquiva e ataques em sucessão também não fazem muito jus ao que realmente deveria parecer. Uma das coisas legais, entretanto, é drenar a estamina dos inimigos com sua arma secundária e sugar seu sangue. Fazendo isso, você recupera parcialmente sua vida, causa dano e aumenta sua barra sanguínea, que funciona como uma espécie de “mana/MP” para usar habilidades especiais.

Sendo um jogo da Dontnod, era esperado um alto nível de qualidade nos diálogos e a importância das suas escolhas nas conversas. Vampyr apresenta Londres divida em vários distritos, como Whitechapel, Docas, West End e outros – cada distrito tem um nível de qualidade de “saúde” e o status de cada habitante. Jonathan pode destrancar diálogos opcionais se descobrir algo sobre determinado personagem em seu ciclo de relações. Vários moradores dos distritos tem laços: familiares, amizade, casamento etc, embora o jogo não faça um uso aprofundado desse sistema. Assim como Life is Strange, suas escolhas importam – mas apenas um nível levemente superficial.

A verdadeira diferença de suas ações em Vampyr está em você decidir se vai matar os civis ou não. Matar um personagem possui consequências – afetando a saúde daquele distrito. Em contra partida, uma pessoa saudável é fonte de sangue saudável: para se tornar um vampiro poderoso, o jogador vai precisar se alimentar de inocentes, que são ótimas fontes de XP para evoluir suas habilidades e poderes. Porém, como eu disse ali em cima, há consequências. Quando um distrito deixa de ser saudável, monstros e outras bestas vagam as ruas frequentemente, NPCs desaparecem e quests podem ser perdidas.

Em suma, os sistemas estão lá, mas não espere nada muito refinado, polido e complexo. Desarme quaisquer expectativas de algo ao nível de CD Projekt Red ou BioWare, porque não é. Mesmo sendo admirável o esforço que o estúdio colocou no jogo, ainda não foi o bastante para justificar a hype que a empresa colocou em cima de Vampyr.

Outro ponto que vale a pena levantar foi a performance no PlayStation 4. Apesar de uma boa experiência no geral, a qualidade técnica de Vampyr no console foi uma das piores que eu já vi em quase 5 anos jogando no videogame da Sony. Congelamentos eram constantes (e que duravam quase 30 segundos), quedas de FPS assombravam as lutas e uma quantidade razoavelmente alta de bugs (gráficos, mecânicos etc). Até o momento que terminei o jogo, nenhum patch havia sido lançado para amenizar os problemas. Preocupante.

Quem diria que bancar de vampiro seria legal?

Mesmo com todos os seus defeitos, Vampyr conseguiu me prender até o final. A recriação de uma Londres sombria e decadente me cativou, e depois de algumas horas, consegui me acostumar ao combate problemático. Jonathan conseguiu ser um personagem interessante, mesmo com sua eloquência forçada e pretensiosa.

Se você gosta da temática gótica e acredita que histórias de vampiros podem ser bem contadas, Vampyr é um jogo para se ficar de olho. Ser um chupador de sangue pode ser algo divertido, no final das contas.

O jogo foi analisado com base na versão de PlayStation 4, cedido gentilmente pela distribuidora.
Drácula Simulator 2018
Ótima ambientaçãoHistória e folclore interessantesMecânica de diálogo sólida
Combate fraco e sem polimentoPerformance tenebrosa nos consolesEscolhas superficiais
7Valor Total
Votação do Leitor 5 Votos
6.9