Análise – Valkyria Revolution

Lançado no oriente em janeiro de 2017, o novo capítulo da série Valkyria chegou às terras ocidentais somente em junho de 2017. Muito aguardado pelos fãs da série, Valkyria Revolution mostra-se bem diferente de seus antecessores. Infelizmente, isso não necessariamente é uma coisa boa.

Era uma vez

A história é contada através de um ponto de vista externo, mostrando que os registros deixados da guerra são bem diferentes do que realmente aconteceu. Uma mistura de conflitos políticos, interesses pessoais e uma pitada de traição fazem a história soar como uma temporada de House of Cards, pois são tantos detalhes e tantos personagens a ser apresentados que gera um grau de complexidade imenso para o jogo, e muitas dessas sequências são apenas diálogos entre os personagens, discutindo os próximos passos da guerra ou ações políticas.

Por alguns momentos, me senti jogando Metal Gear Solid 4, com sequências de diálogos de uma hora antes de iniciar o capítulo.

Há um claro desbalanço entre a quantidade de cutscenes e os trechos de jogo em si, nos quais você pode controlar o personagem livremente pela cidade e sair para as missões, principalmente nas primeiras horas do jogo. Muitas dessas sequências poderiam ser removidas do jogo, aumentando seu dinamismo sem perder detalhes importantes da história.

De tudo um pouco, mas nada com excelência

O combate de Valkyria Revolution sofre da chamada Síndrome do Pato (ou do Bardo, para os fãs de D&D); ao mesmo tempo que o jogo tenta fazer tudo, não consegue fazer nada com excelência, resultando em um sistema extremamente confuso e medíocre. O sistema é uma mistura de ação e turnos com uma barra de ação para cada personagem. Você só pode controlar um personagem por vez e ele só pode usar uma ação quando a barra completar.

As batalhas são repletas de soldados fracos, fazendo você se sentir em um Dynasty Warriors moderno, mas você não pode ter toda aquela fluidez característica do gênero Musou por conta da barra de ação e isso chega a ser frustrante durante os combates. Apertando triângulo, você pode pausar para selecionar comando para outros personagens, mas isso também irá gastar sua barra de ação. Tudo isso resulta em um sistema de combate que não tem fluidez suficiente para ser chamado de ação ou elementos de estratégia suficiente para ser comparado com seus antecessores.

Também há um sistema de microgerenciamento dos personagens que envolve uma árvore de habilidades e as ações que podem ser utilizadas no combate. Tudo isso pode ser feito entre as missões, mas são tantos personagens para você escolher em cada batalha que fica difícil importar-se verdadeiramente para investir em cada um deles. Meus esforços estavam apenas nos personagens principais, deixando os outros completamente abandonados.

Animações dignas de um PlayStation 2

Uma das coisas que mais me incomodou em Valkyria Revolution é a qualidade das cutscenes e animações. Enquanto temos jogos que fazem um excelente uso dos gráficos no estilo Anime com cell-shading como Star Ocean V, Tales of Zestiria e Berseria, Valkyria Revolution parece ir na direção contrária; os modelos dos personagens e cenários deixam muito a desejar. Me senti de volta nos anos 2000 jogando algum JRPG desconhecido de PS2. Os personagens não possuem nenhuma expressão durante as animações e até são apresentados de costas em algumas delas.

Conclusão

Valkyria Revolution, apesar de possuir uma história bem interessante, peca gravemente na quantidade e qualidade de suas animações, deixando o jogo massante. O combate é totalmente diferente de seus antecessores e infelizmente isso também é decepcionante pois a mistura de ação com estratégia não é bem executada. Se você for fã da série, é melhor ficar com os dois primeiros jogos mesmo.

Valkyria Revolution
História Interessante
Animações ruinsExcesso de cutscenesCombate confuso
5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos
0.0