Análise: Super Mario Party

Super Mario Party foi feito para que você se divirta com seus amigos… e depois de algumas partidas, nunca mais fale com eles. 

Desde sua origem no Nintendo 64 e passando por praticamente todos os consoles da Nintendo, Super Mario Party é o décimo primeiro jogo da série, e primeiro para o Switch. Como o próprio nome já diz, é um party game, ou seja, foi feito para ser jogado com vários jogadores em um mesmo local. Sua proposta tradicional traz um jogo de tabuleiro com os famosos personagens da franquia; a cada rodada, você joga um dado e anda o número de casas correspondentes e, como nos boardgames clássicos, há espaços com interações especiais do cenário, recompensas como itens e moedas e também alguns quadrados que te penalizam. Ao final de cada rodada, os personagens disputarão um minigame, e é aqui que Super Mario Party é mais forte. São três categorias que podem variar de acordo com os espaços que os personagens caírem naquela rodada: o mais comum é um 4v4 (ou cada um por si), mas também existe um modo em duplas (2 vs 2) e um outro que é assimétrico (3 vs 1).

Uma boa diversidade de Minigames

Há uma infinidade de minigames incrivelmente divertidos e bem elaborados. Alguns deles vão usar os controles simples do joy-con e outros abusam das funções de movimento como Sizzling Stakes, em que você precisa fritar um cubo de carne, usando o controle como uma frigideira. Slaparazzi faz você sair no tapa com os outros personagens para disputar quem irá ficar melhor posicionado em uma foto. Sphere Mongers requer que você pegue pequenas esferas com um imã, mas você acaba mais batendo nos adversários e os atrapalhando do que focado no objetivo. Em Candy Shakedown, você precisa esvaziar um pote de doces antes dos oponente. Você precisa chacoalhar e virar o controle e usar a gravidade ao seu favor.

Ao final do minigame, os personagens vencedores serão recompensados com moedas que podem ser usadas para adquirir itens e comprar estrelas vendidas pela Toadette (a principal métrica para determinar o ganhador da partida). A localização das estrelas varia conforme o andamento do jogo, o que contribui para um dinamismo na sua estratégia, uma vez que não há uma mesma rota sempre para vencer. No final da partida, duas estrelas de bônus são atribuídas aleatoriamente, e mesmo que você estiver vencendo, pode acabar perdendo por puro azar, o que pode te deixar bem furioso.

Outros modos além do tradicional

Além desse modo clássico, o jogo também conta com um modo rítmico simples, mas bem divertido, onde há uma série de mini games que irão testar sua coordenação. O outro modo é o River Survival, que você precisa remar um barco ao longo de um tortuoso caminho rio abaixo. Aqui, você joga colaborativamente com todos os outros jogadores, tanto no cenário quanto nos minigames, tudo para conseguir mais tempo e chegar ao final do rio. O começo é sempre igual, mas há uma série de bifurcações que levam a cenários diferentes. O problema aqui é a variedade de minigames, são aproximadamente 15 diferentes e na terceira ou quarta fez jogando, você vai encontrar uma boa dose de repetição.

Há também um modo cooperativo dois contra dois no tabuleiro, chamado de Partner Party, onde não há espaço definidos para cada personagem. As equipes possuem rolagem de dados compartilhadas e vocês podem andar livremente pelo cenário, escolhendo a melhor maneira de chegar às estrelas. 

Esse modo traz uma pequena inovação ao modo clássico e poder ser uma boa para alternar entre as partidas e evitar repetições.

Online? Bem….

O jogo também conta com um modo online, mas apenas para alguns mini-games, o que é totalmente dispensável, visto que a melhor experiência se dá com vários amigos localmente. 

Nada se compara a sensação de olhar na cara do seu amigo enquanto você usa um item para pegar uma estrela antes dele naquela rodada. 

Resumo

São esses pequenos momentos que fazem com que Super Mario Party brilhe e mostre o quão divertido os multiplayers locais ainda podem ser. Jogar sozinho, infelizmente, não é tão divertido e pode se tornar até monótono por conta do ritmo e do tempo que os NPCs levam para fazer seu turno. Desde o Nintendo 64 a franquia vem proporcionando bons momentos e destruindo amizades e Super Mario Party é o melhor jogo das últimas duas gerações da série. Há uma boa diversidade de modos para não deixar o jogo repetitivo e a seleção de mini-games é simplesmente fantástica. Se você já é familiarizado com a franquia ou se você preza por uma boa experiência multiplayer local, saiba que essa é uma boa indicação para o Switch.

O jogo foi analisado com uma cópia cedida gentilmente pela assessoria da Nintendo.

Análise: Super Mario Party é a melhor versão das últimas gerações da Nintendo
Grande variedade de minigamesModo Partner Party é diferente e foge da repetição
Jogar sozinho pode ser cansativo e monótonoOnline apenas para alguns minigames
8Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos
0.0