Análise – Persona 5 Royal

Persona 5 foi anunciado em 2013 e depois de muitos adiamentos e uma geração de consoles, o jogo chegou em Abril de 2017 e se consagrou como um dos melhores RPGs de todos os tempos e um dos melhores jogos da geração atual. Persona 5 Royal é uma versão revisada e ampliada do jogo, com uma quantidade incrível de conteúdo extra que vão desde um novo membro para seu time, um novo palácio para explorar e até um novo semestre na escola. Mesmo que você já tenha jogado Persona 5, na época do seu lançamento ou em alguma das promoções recentes, P5R traz novidades e alterações suficientes para que ele se sinta um jogo totalmente novo e você não tenha a mesma experiência, mas sim, algo ainda melhor.

Este review está livre de spoilers. Fique tranquilo!

Os Phantom Thieves vão roubar seu coração

Durante a história você acompanha os Phantom Thieves, um grupo de adolescentes, que após vivenciarem diversas injustiças nas mãos de adultos que manipulam inocentes para seus próprios ganhos, decidem se rebelar contra essa sociedade corrupta. Para isso o grupo tem acesso ao Metaverso, um mundo feito com base na cognição das pessoas, e lá eles invadem os “Palácios”, que é o manifestação materializada dos desejos mais distorcidos de uma pessoa.

Enquanto você progride na história de Persona 5, os Phantom Thieves precisam invadir esses “Palácios” e roubar o tesouro de dentro dele, fazendo assim com que o dono do Palácio sofra por mudança dentro de seu coração e confesse todos os seus crimes.

Se você já jogou Persona 5, você já sabia disso, mas Persona 5 Royal adiciona algumas novas camadas de exploração aos palácios. A primeira novidade é a adição de um grappling hook (aquele gancho que o Batman usa para alcançar lugares mais altos) permitindo que você acesse novas áreas adicionadas ao jogo. Falando em áreas novas, cada palácio contém três “Sementes do Desejo” que, caso as três de um mesmo palácio sejam coletadas, se transformam em um poderoso acessório.

Novidades no combate

Obviamente você não vai invadir o Metaverso sem enfrentar alguns inimigos, os “Shadows” estarão lá para defender o lugar de possíveis invasores e é nessa hora que o combate tomará conta e já aviso, se você achava o combate do Persona 5 original bom, o do Royal é ainda mais dinâmico e profundo.

Agora a sua party toda recupera a munição de suas armas após um combate, tornando o uso de armas nas lutas muito mais viável do que era antes, quando você recuperava munição apenas ao sair do Metaverso. Mas essa não é a única novidade que os Phantom Thieves trazem para a mesa na hora do combate, pois Persona 5 Royal trouxe “Showtime” um ataque tão devastador quanto estiloso. Esse ataque envolve dois membros do time (não precisa necessariamente que os dois estejam em combate, apenas um) e pode acontecer quando um inimigo ficar com a vida baixa ou após você fazer um “Batom Pass” para o Joker.

Mas não são só os Phantom Thieves que tem novidades no combate pois os “Shadows” também trazem alguns upgrades em Persona 5 Royal. Agora os chefes de cada palácio tem fases novas de luta, fazendo com que até o chefe mais fácil do Persona 5 original se torne uma ameaça em Royal. Já a novidade que a Atlus trouxe para os “Shadows” comuns é a adição do “Disaster Shadow”, que são “shadows” que contra-atacam após um ataque que não seja o de sua franqueza e, quando derrotado, explode e causa dano em todos os outros “shadows” que você esteja enfrentando.

A outra parte do Metaverso, o ‘Mementos’ também traz sua boa dose de novidades em Persona 5 Royal, mas antes de eu comentar sobre isso permita-me recapitular brevemente o que é essa área: ‘Mementos’ uma dungeon com diversos andares e conforme você vai se aventurando em suas profundezas mais “Shadows” poderosos aparecerão em seu caminho. Cada andar dessa dungeon é gerada aleatoriamente, tornando o ‘Mementos’ o lugar perfeito para adquirir XP e dinheiro.

Com a explicação do que o “Mementos” é fora do caminho, a principal novidade da área é um NPC novo chamado Jose. Ele é um menino curioso que pede para você coletar flores e carimbos para ele enquanto você se aventura pela imensa dungeon. Isso funcionará como uma moeda para quando você esbarrar com Jose nos andares do ‘Mementos’, podendo trocar flores por itens e os carimbos que por mudanças na cognição coletiva da área, ou, em outras palavras, aumentar o XP, dinheiro e drop de todo o ‘Mementos’ permanentemente. Então se você achar que está com nível muito baixo, ou precisa de dinheiro para comprar novos equipamentos é só coletar alguns carimbos, falar com Jose e farmar até não aguentar mais!

Take your time

Conforme Renan mencionou em sua análise de Persona 5 postada lá em 2017 “Take your time” (que em português quer dizer ‘tome o seu tempo’) “é a mensagem principal que está em praticamente todas as telas de loading de Persona 5 e ela literalmente é o melhor resumo que podemos fazer do jogo. Jogue da maneira que preferir, tudo no seu tempo, desenvolva suas características, arrume um emprego, se relacione com pessoas, conheça a cidade e aprenda a fazer café. Tudo isso pode ser feito no seu período após as aulas e nenhuma atividade é mais importante que a outra, todas elas trazem um benefício diferente, deixando você decidir como quer seguir ou o que quer fazer. Para cada missão da história, há um tempo limite que pode ser aproveitado do jeito que você preferir, mas saiba que o castelo (dungeon) deve ser finalizado antes do dia marcado em seu calendário.”

E meus amigos, se já tinha bastante coisa para fazer em Persona 5, agora em Persona 5 Royal você realmente vai precisar ‘tomar seu tempo’ para decidir o que vai querer fazer. Há novas áreas, novos passatempos, novas formas de interagir com seus amigos e, além disso, novas pessoas para você interagir e adquirir novas habilidades. Falando nisso, cada esses personagens são referidos como “Confidant” e para aumentar seu rank com cada um deles é necessário escolher as opções corretas de diálogo.

Mas é claro que falar é fácil e na hora que você for jogar Persona 5 Royal vai acabar ficando perdido em alguns momentos se perguntando “o que será que eu faço?” e é aí que entra o novo recurso adicionado no jogo chamado de Assist. Basta apertar o touchpad do Dualshock 4 que vai abrir um novo menu que, além de mostrar tudo o que os outros jogadores fizeram quando estiveram onde você está, também sugere atividades para você fazer, como qual confidant valeria a pena você interagir, ou qual atividade o jogo acredita ser a melhor para o momento.

Já que estou comentando sobre confidants é necessário voltar brevemente ao Metaverso para falar sobre a Velvet Room. É lá onde você interage com Igor, mestre da Velvet Room e personagem que guia Joker com seus comentários misteriosos, além de permitir o protagonista a melhorar suas personas, seja fundindo-as para obter personas mais fortes ou sacrificando outra persona que você tem para dar experiência para outra que você quer fique mais poderosa. As guardiãs da Velvet Room, Caroline e Justine, agora podem pedir para você leva-las para conhecer alguns lugares terrenos, como o cinema, academia e até mesmo o novo maid café. Essas cenas novas não ajudam a melhorar o nível do confidant delas, mas da mais desenvolvimento para os seus personagens, algo que sempre é bem vindo.

O lado artístico de Persona 5 Royal está ainda mais incrível do que de Persona 5. O visual do jogo está tão bom quanto antes, com tudo estilizado tomando como base a cor vermelha. Os cenários, tanto os antigos quanto os novos adicionados nessa versão do jogo são charmosos e passam toda a vibração que você espera desses lugares. Quanto as músicas… Ah, a trilha sonora de Persona 5 Royal pode muito bem ser uma das melhores trilhas sonoras já feitas para um jogo. A nova música que toca quando você começa uma batalha após emboscar seu inimigo é tão boa quanto ‘Last Surprise’ (a discussão de qual é melhor é totalmente válida, afinal, tanto ‘Last Surprise’ como ‘Take Over’ são fantásticas) e cada nova área do ‘Mementos’ é uma versão instrumental diferente do mesmo tema, tornando a viagem pela dungeon ainda mais agradável.

Mas eu não podia acabar a análise sem falar do ‘Thieves Den’, um hub criado única e exclusivamente para juntar todo o fanservice do jogo. Lá você pode ouvir a trilha sonora do jogo, ver galeria de imagens, rever cenas da história, jogar cartas com o resto dos Phantom Thieves e até mesmo explorar o lugar como um dos outros ladrões de coração sem ser o Joker. Também há pódios no meio da sala para você colocar troféus e personas da forma que você quiser.

Conclusão

Persona 5 Royal estabelece um novo patamar para re-lançamento de títulos trazendo conteúdo novo para praticamente todas as áreas do jogo fazendo com que até pessoas que já jogaram o título original de 2017 tenha experiências diferentes. Novas formas de batalhar, novos lugares para ir, novos inimigos e novas estratégias para enfrentar os chefes dos palácios. Royal pega tudo o que tinha de bom em Persona 5 e eleva ele máximo fazendo com que até a trilha sonora que já era fantástica ficasse ainda melhor.

Persona 5 Royal é um jogo obrigatório para fãs de JRPG e pode, muito bem, ser considerado como o melhor jogo do gênero lançado até o momento.

Esta análise foi realizada com base na versão Standart de Persona 5 Royal gentilmente cedida pela distribuidora.

Caso você ainda tenha alguma dúvida sobre Persona 5 Royal ou só quer conversar sobre algumas coisas sobre o jogo, fique a vontade para entrar em contato comigo aqui nos comentários ou no Twitter lá no @luquicass!

Análise: Persona 5 Royal
Uma das melhores histórias em um JRPGTrilha sonora ainda melhor que a originalExploração do 'Mementos' ainda mais recompensadoraNovos confidants e novas áreas fazem com que você sempre tenha alguma atividade
Não há localização para Português
10Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos
0.0