Quando vi o trailer de Children of Morta, algo despertou meu interesse no jogo. A princípio, achei que era a temática medieval, aquele RPG roguelike que todos amamos (tá, nem todos) e a possibilidade de jogar algo com gráficos mais retrô, trazendo a boa e velha nostalgia de volta. Porém, o que me chamou mesmo atenção foi a narrativa (sim, sempre ela, que faz eu me apaixonar ou odiar um jogo).  

Mas não se engane se você acredita que esse é um RPG de exploração de masmorras comum. Ele gira em torno de uma família e do peso da responsabilidade que recai sobre ela, ao ter que conter algo maligno que está tomando conta de sua terra natal.  

A história é contada através de um narrador, que nos apresenta diversos elementos de tudo o que está acontecendo conforme avançamos no jogo.  

Um jogo sobre família  

Sim, Children of Morta é um jogo sobre família e, ao longo da aventura, fica claro que temos que agir como uma. Logo no início, somos apresentados à família Bergson e começamos o jogo com dois personagens, o patriarca, John, e a filha mais velha, Linda. Através de portais, exploramos diversas dungeons para vencer os chefões e acabar com a Corrupção, o mal que assola aquelas terras. 

Conforme exploramos as dungeons, vamos conhecendo um pouco mais dos membros da família Bergson, detalhes de suas vidas e até o que fazem enquanto não estão enfrentando o mal. Isso cria um laço com cada um dos personagens e, aos poucos, você vai escolhendo o seu preferido. 

A colaboração é importante 

Como um bom RPG, os personagens vão evoluindo, subindo de nível e desbloqueando novas habilidades. Porém, ao enfrentar as hordas de inimigos e chegar no chefe da dungeon, percebemos que precisamos de novas estratégias, afinal, nem todos os inimigos podem ser derrotados pelas espadadas de John.  

Cada personagem funciona de maneira diferente e aos poucos você se adapta com cada um deles. Lucy, a filha do meio, pode disparar algumas bolas de fogo, enquanto Kevin, o filho mais novo, aumenta bastante sua velocidade e força para gerar uma espécie de raiva e atacar os inimigos na base da faca. Porém, ele precisa se aproximar bastante para usar um poder de invisibilidade e fugir do perigo.  

Tá, mas e a colaboração?  

Calma jovem, calma.  

Quando usamos muito um mesmo personagem, ele se cansa e sofre fadiga devido aos poderes da Corrupção, o que diminui sua saúde, fazendo com que ele precise de um tempo para se recuperar – o que torna a alternância entre personagens algo essencial.

Outro fator que torna interessante a troca de personagens é que, conforme sobe de nível, você também desbloqueia novas habilidades que favorecem todos os membros da família, gerando auxílio em momentos oportunos ou aumentando a chance de ataque crítico.  

Um jogo difícil?  

Não necessariamente. Confesso que não consegui fechar a maioria das dungeons na primeira tentativa. Cada chefe e horda de inimigos deve ser combatida com uma estratégia diferente. Você precisa descobrir o que fazer e como derrotar aquele inimigo. No meu caso, morria tentando descobrir como passar aquela dungeon, rs.  

O combate é simples, porém, muito divertido. Algumas animações e cenas durante o combate deixam o jogo mais dinâmico e impedem que ele se torne cansativo. Mais uma vez, caímos na colaboração da família. Alguns personagens são mais lentos, como o John, e outros mais efetivos contra vários chefes, como a Linda, com seus ataques à distância. 

Aliás, esse é um ponto que achei meio desbalanceado. Quase todos os personagens são mais efetivos no combate corpo a corpo, senti falta de mais variedade de ataques à distância, mas pode ter sido uma percepção minha. De qualquer forma, o jogo te incentiva a usar todos os personagens e isso é bem legal! 

Ao longo das dungeons também existem artefatos e obeliscos que ajudam de diversas formas, como restaurar a saúde ou prestar algum auxílio.  

Vale a pena?  

Sim, Children of Morta é um jogo que vale muitas horas de diversão. A aleatoriedade das dungeons, combinada com a árvore de habilidade dos personagens, além das possíveis alternâncias entre eles, tornam o jogo muito interessante e mantêm sua curiosidade por bastante tempo.  

A narrativa está bem fluida e os personagens são cativantes. Resumindo, vale a pena dar uma chance para Children of Morta!

Children of Morta já está disponível para PC, PS4, Xbox One e Switch.

 

Children of Morta: Análise
Narrativa bem desenvolvidaÁrvore de habilidade que provoca a cooperaçãoPersonagens carismáticos Dificuldades diferentes em cada chefe
Poucos personagens com ataque à distância
9Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos
0.0