Eu costumo sempre dizer que a melhor forma de lidar com os problemas irremediáveis da vida real é tomar um caminho que te leve para longe de tudo. Se isolar da realidade, procurar paz e serenidade em outros carnavais e encontrar propósitos momentâneos que te desvirtue dos pensamentos ruins e frequentes, que te assombram sem dó.

Para mim, o videogame costuma cumprir esse papel.

Depois daquele longo dia turbulento, poder sentar no meu sofá e mergulhar de cabeça em um outro universo é o que me tranquiliza para, quem sabe, ter um dia melhor nas próximas 24h.

Alguns games sabem muito bem como realizar essa missão. Seja te transportando para a pele do elfo silencioso da floresta, que vai salvar o mundo, ou do furioso espartano sedento por vingança, os video games são um trampolim para outras realidades, são a fuga para a calmaria, te distanciando do que você, normalmente, não poderia se esquivar.

Mas alguns games se superam e fazem isso com maestria.

Animal Crossing: New Horizons é um deles.

Uma quase-nova vida

Todo o discurso introdutório deve ter feito você pensar “puxa vida, vou definitivamente ser transportado para algo totalmente diferente de tudo que já vi ou vivi”. É… mais ou menos.

Animal Crossing: New Horizons é um simulador de vida real disfarçado de uma Pet Shop. Ou quase isso.

Vamos do começo.

O novo título exclusivo de Nintendo Switch transporta o jogador para pele de um protagonista recém chegado a uma ilha paradisíaca, totalmente isolada – ilha esta que receberá o nome que você preferir. Repleta de mistérios e belezas, seu personagem levará consigo, para esta ilha, apenas alguns amigos. Que, neste caso, são animais. Diferente do que possa parecer, a profundidade destes personagens será os verdadeiro responsável pela complexidade do game. Cada um deles possui uma peculiaridade, personalidades bem definidas e que expõe um lado humano que, por vezes, fará com que você se importe tanto com eles a ponto de esquecer que se tratam de animais… em um videogame.

O seu relacionamento com os NPCs serão importantes para o caminhar da sua jornada. Amigos te ajudam, sentem sua falta, te presenteiam, te dão dicas… e fazem da sua ilha um lugar mais vívido. E não demorará para que mais animais se mudem para sua ilha. Se você, é claro, se importar em convidá-los. Aliás, a interação é um fator essencial neste game, por isso não deixe os diálogos incompletos. Se você sentir que o assunto não terminou, fale mais com um NPC, torne a procurá-lo e descubra mais sobre ele. Cada conversa pode abrir um novo caminho ou simplesmente fazer com que você se distraia. Tudo faz parte do jogo.

Logo você perceberá que Animal Crossing imita mais a vida do que parece, a primeira vista. Você terá que trabalhar para conquistar seus desejos. Terá que pagar contas, quitar dívidas, conseguir material para construir as coisas, ir as compras no shopping… tudo está ao seu alcance no paraíso dos animais, mas depende do seu empenho e esforço para conquistar. E com um detalhe importante: O ritmo da ilha segue o mesmo ritmo da vida real. O game contém um vínculo temporal, respeitando a estação do ano em que você está, o horário do dia e acompanhando, inclusive, festas e feriados famosos do mundo.

É como se você estivesse, de fato, vivendo uma nova vida. Diferente. Mas nem tanto assim.

Moldando seu próprio destino

Em Animal Crossing: New Horizons você poderá personalizar praticamente tudo.

Sério. Tudo mesmo.

E isso varia desde a aparência do seu personagem no game, que possibilita escolher gênero mas não se importa em limitar sua personalidade, sendo permissivo na escolha de um corte de cabelo “feminino” ou de um vestido, independente de você ter escolhido o gênero masculino; até a sua casa e a natureza que envolve as construções da sua ilha.

Conforme a gameplay for avançando, você poderá estar tão envolvido com a narrativa quanto com as possibilidades que o game te oferece de personalização.

O craft e a gerência de materiais serão parte fundamentais do seu jogo. Aos poucos você aprenderá a minerar pedras, colher frutas, madeira e tudo o que precisa para a construção da sua ilha. Não demorará muito para que você queira que absolutamente tudo a sua volta tenha a sua cara. Você terá, aos poucos, liberdade para escolher onde quer as árvores, as casas, a cerca, o caminho de terra, a ponte e tudo o que compõe o seu novo mundo particular.

A liberdade que New Horizons coloca na sua mão abrirá sempre a sua mente para novas ideias. O game é infinito nesse quesito e a comunidade ajudará você a sempre se renovar. Desde ideias que as pessoas postam no Twitter usando as hashtags do game, até o vasto mundo dos QR Codes, que podem ser lidos através do aplicativo da Nintendo pare celulares e adicionado ao game através de transferência, fazendo com que designs e criações de outros jogadores possam ser replicadas no seu game. E, vai por mim, isso é mais fantástico do que parece.

Amigo, eu estou aqui

Como se não bastasse todas as funcionalidades e o carisma que Animal Crossing é capaz de entregar, o jogo conta também com um sistema de multiplayer muito interessante.

Em New Horizons é possível visitar as ilhas de seus amigos para viver novas experiências, interações e, principalmente, obter mimos. Cada ilha do game possui características únicas, flores, frutas, animais… então visitar novos lugares pode fazer com que você descubra novas coisas e, inclusive, possa trazê-las para sua própria ilha.

Se você visita um amigo que possui uma fruta que você não tem, ele pode te presentear – ou você pode simplesmente ir lá pegar, se for muito cara de pau – e depois plantar na sua ilha. Daí você rega, espera uns dias e pronto. Uma árvore com uma nova fruta agora faz parte da natureza de onde você mora. E, para completar, você ainda pode vender essa fruta mais cara para os comerciantes locais, já que a fruta é considerada rara por ali.

Além disso, você pode chamar os amigos para te visitar. Caçar insetos juntos, visitar o museu da cidade, ver o por do sol… tudo o que você gostaria de fazer com aquele seu amigo que está longe de você mas talvez, por algum infortuno, não possa.

Vale a pena? 

Indicar Animal Crossing é bastante curioso. Cada jogador vive um a experiência diferente no game, alguns se aprofundam nas relações, assumem a jogatina como uma verdadeira fuga da realidade e se jogam de cabeça. Outros se divertem apenas com as construções, o craft e as possibilidades de personalização. Outros curtem as duas coisas.

Em tempos turbulentos como os que vivemos, em que o mundo passa por uma crise de saúde grave, causada pelo COVID-19, o Corona Vírus, o isolamento social se tornou quase uma lei. E distante do mundo lá fora, Animal Crossing vem cumprindo na vida de muitas pessoas o papel de “ponte” para que o vínculo social não se perca.

Para muitas pessoas a ponte não existe nunca. Independente da quarentena.

É interessante ver a mágica acontecer e o quanto o papel dos videogames nesse momento é valioso. Animal Crossing: New Horizons é, para mim, um game que quebra barreiras, que une as pessoas e que ensina muito sobre a vida nos mínimos detalhes. É divertido, pessoal e intimista, na mesma intensidade que é simples e amigável para diversas idades.

Se vale a pena? New Horizons é imperdível.

Esta análise foi realizada com base na versão padrão de Animal Crossing, cedida gentilmente pela distribuidora

O game está disponível na Loja Nintendo.

Análise: Animal Crossing: New Horizons é uma experiência que transcende os padrões
Gameplay envolventePersonagens bem construídosMultiplayerBastante conteúdo e possibilidade de ser jogado por muito tempo
O vínculo de tempo com a vida real, com eventos que dependem do tempo passar, pode afastar alguns jogadores mais ansiosos
9.5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos
0.0