Lançado há alguns dias, Prey é um incrível thriller sci-fi em primeira pessoa ambientado numa estação espacial, onde a liberdade e expressão do jogador são colocadas em primeiro lugar. Pertencente ao gênero immersive sim, é provável que você dedique várias horas explorando cada esquina e canto da estação Talos I.

As várias habilidades, segredos, upgrades e sidequests podem parecer muita coisa para processar. O que eu devo upar? Que missão eu devo fazer primeiro? Vou perder alguma coisa? Embora sejam questões válidas, não há muito motivo para desespero. Reuni essas cinco dicas básicas em função de ajudar a desmitificar a dificuldade desse tipo de jogo.

Priorize habilidades que auxiliem na exploração

É completamente entendível dar prioridade ao combate, principalmente num jogo em que os inimigos aparentam ser muito mais fortes que você e podem se esconder em qualquer lugar. Porém, em função de ficar mais forte, a exploração é imprescindível.

Ao encontrar os primeiros Neuromods – pequenos aparelhos oculares que injetam agulhas diretamente no seu cérebro; funcionam como os pontos de experiência em Prey – você se depará, inicialmente, com três variações da sua árvore de habilidades. Nessas habilidades, há três essenciais que, caso opte pela exploração extensiva, são essenciais:

  • Hacking: acessar computadores e portas trancadas sem senhas e cartões de acesso pode ser a coisa mais útil e aliviante de se fazer em Prey. Para ter esse tipo de acessibilidade, será necessário investir na habilidade de hacking – com ela, como dito acima, você poderá acessar computadores (ler emails, autorizar acessos etc) e abrir portas trancadas com senhas que podem te levar a recompensas e recursos interessantes.
  • Repair: como o nome sugere, essa habilidade te auxiliará a consertar máquinas de craft, computadores e portas eletrônicas no geral. Ao consertar esse tipo de equipamento, você conseguirá ter acesso aos objetivos de sidequests – sendo que algumas dependem exclusivamente dessa habilidade para serem concluídas.
  • Leverage: talvez a mais útil dessas três, essa habilidade concede uma espécie de ”super força” ao protagonista, sendo possível levantar itens pesados para criar passagens, abrir atalhos, descobrir lugares secretos, abrir portas emperradas e usar itens do cenário como armas.

Lembre-se que com a exploração você poderá posteriormente investir em habilidades que te deixam mais poderoso, deixando tudo mais fácil.

Desbloqueie a habilidade “Mimic” assim que possível

No começo do jogo, você estará limitado apenas a habilidades humanas (skills azuis). Prosseguindo na história e fazendo missões principais, Morgan vai ter acesso às skills dos aliens abordo da estação espacial, os Typhons. E a primeira habilidade essencial dessa nova árvore na variação “Morph” é a skill Mimic.

Usando o Mimic você é capaz de se transformar em objetos do cenário, desde uma caneca a um rolo de papel higiênico. Sabe aquela porta barricada que tem apenas um espacinho de baixo? Se transforme numa banana e passe por de baixo. Essa habilidade será um complemento do seu potencial de exploração, te deixando ainda mais livre para encontrar segredos no jogo.

Desligue o marcador da missão principal

Não sei se enfatizei isso o bastante, mas Prey é um jogo de exploração. Por mais tentador que seja seguir na história e desvendar os segredos da Talos I e os envolvidos no incidente na estação, se faça um favor e desligue o indicador da missão principal. Dessa forma você ficará menos preso a um único objetivo e mais a vontade para explorar melhor áreas que você não esteve e/ou explorou pouco.

Graça ao bom senso dos desenvolvedores, isso pode ser feito facilmente indo no menu de Objetivos e simplesmente desmarcando o indicador principal da missão.

Imagem via Kotaku

No combate vale tudo

Quando eu digo tudo, é exatamente isso o que quer dizer. Ou quase tudo. Vários inimigos – principalmente os que aparecem mais para frente – podem ser um desafio que beira a frustração se você ligar o modo “automático” de simplesmente correr pra cima deles e apertar o botão de atirar. Além de gastar bala à toa, a eficiência desse combate simplório vai te deixar na mão muitas vezes.

Combine seus poderes, explore a possibilidade das suas armas e do ambiente. Cada área da estação possui algo que você pode usar como arma ou combinar para realizar execuções poderosas: arremessar móveis, eletrônicos e tudo que achar pela frente nos inimigos – quanto mais pesado o objeto, mais dano irá causar. Imobilize primeiro os inimigos com a Gloo Canon e bata neles com sua wrench, e assim por diante. A imaginação é o limite.

A dificuldade padrão é o bastante

Esse tópico pode ser um pouco polêmico – principalmente caso se considere como um ótimo jogador de FPS e adora um desafio. Dificuldades mais altas parecem ser tentadoras e um padrão para esses jogadores, mas eu aconselharia tomar um pouco mais de cuidado aqui. Prey não é o típico run and gun como Doom, e sim um jogo onde o racionamento de recursos e tomada de decisão são fatores cruciais.

No início da sua jornada é onde as coisas são mais difíceis. Sem poderes alienígenas, sem armas com upgrades, sem saber no que investir e inventário limitado. Os inimigos batem forte e muitas vezes correr vai ser a opção mais sensata, então, não se acanhe de começar o jogo na dificuldade padrão. Quando você se sentir mais familiar, dificuldades mais altas (inclusive a dificuldade Nightmare) são desafios a serem considerados.

Falei besteira? Gostaria de adicionar alguma coisa? A caixa de comentários está aí para vocês. Espero tenha curtido essas dicas e que o guia sirva de maneira positiva para vocês nesse jogo incrível!

Prey está disponível para PC, PS4 e Xbox One desde o dia 5 de maio desseano.